segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Série: PALAVRAS - Estudo 1

"O poder da língua"
(Baseado em estudo do Rev. Hernandes Dias Lopes)

"Nenhum homem pode domar a língua". Essa verdade, contida no livro de Tiago, comprova muitas das situações vividas diariamente por cada uma de nós, seja na família, no trabalho, na escola e até na igreja. Ninguém está livre de receber uma palavra dura, que vai trazer feridas, magoar, amaldiçoar. A língua, intencionalmente ou não, pode facilmente destruir e matar. Mas no livro de Provérbios 12:18 também está uma outra verdade: "A língua dos sábios traz saúde". Ela é benigna, preenche os corações de alegria, com ela glorificamos a Deus. O capítulo 3 de Tiago é dedicado exclusivamente a alertar sobre o mau uso da língua, e o pastor Hernandes Dias Lopes, da Primeira Igreja Presbiteriana de Vitória, destaca que o apóstolo Tiago aborda três características importantes sobre a língua.

A primeira é que ela tem o poder de dirigir porque é comparada ao freio na boca de cavalos e ao leme do navio. "Ora, nós pomos freio nas bocas dos cavalos, para que nos obedeçam; e conseguimos dirigir todo o seu corpo. Vede também as naus que, sendo tão grandes, e levadas de impetuosos ventos, se viram com um bem pequeno leme para onde quer a vontade daquele que as governa" (Tiago 3:3 e 4). "Falando sobre leme e freio, Deus quer nos mostrar que as palavras sem direção podem levar à maldição, ao desastre; mas, se estiverem sendo bem guiadas, conduzem para bênçãos. Temos que vigiar a nossa língua e lembrar que, como diz Tiago, um pequeno leme conduz grandes navios", explica o pastor Hernandes.

A segunda lição sobre o tema que ele aponta é de que a língua pode destruir, por ser veneno e fogo. "Vede quão grande bosque um pequeno fogo incendeia. É um mal que não se pode refrear; está cheia de peçonha mortal" (Tiago 3:5 e 8). "Apenas uma fagulha pode incendiar toda uma floresta. Assim é com a língua. Apenas um comentário, por menor que seja, pode devastar uma vida, uma família, uma cidade. Da mesma forma o veneno, que apenas algumas gotas podem trazer morte", diz ele.

O terceiro ensinamento citado pelo pastor é a respeito do poder de deleitar, de dar prazer que a língua tem. "Meus irmãos, pode também a figueira produzir azeitonas, ou a videira figos? Assim tampouco pode uma fonte dar água salgada e doce?" (Tiago 3:12). "Ela alimenta, ela sacia a sede, mas pode gerar frutos errados ou brotar água ruim para beber. As palavras devem ser usadas para bendizer o nome de Deus, para abençoar as pessoas, para proclamar. Um cristão tem que dar testemunho não apenas em seus atos, mas também em palavras", conclui o pastor Hernandes.

E você? Crê que uma palavra pode levar à morte? Pode gerar um divórcio? Pode trazer maldição ao seu filho? O escritor Gary Haynes, no livro "O Poder da Língua", cita várias histórias reais de que isso é possível sim e destaca que "a morte e a vida estão no poder da língua" (Provérbios 18:21). “A expressão ‘morte e a vida estão no poder' não está se referindo a uma forma apenas figurativa ou ilustrativa; está falando de um princípio real e com consequências diretas e tangíveis sobre as nossas próprias vidas, como também nas das pessoas ao nosso redor. O fato triste é que a maioria delas somente descobre esse poder tarde demais, quando os efeitos colocados em ação por palavras torpes liberadas já vieram à tona. Tome cuidado com o que você fala!", escreve o autor.

Abençoar os filhos, o marido, os amigos e sempre falar palavras de cura e libertação às pessoas devem ser práticas da nossa vida. Muitos relacionamentos têm sofrido por falta de cuidado e prudência no uso das palavras. A fala pode ser uma porta de destruição, mas também uma porta para a construção de relacionamentos e ela nos liga a Deus e às pessoas que amamos. As palavras podem trazer vida ao caos. E o contrário também.

Hoje sabemos que a vida de uma pessoa pode ser pautada por uma palavra dita pelos pais na infância. Um rótulo que se cola num filho nos primeiros anos de vida costuma ficar e marcar uma personalidade. Quantos pais rotulam os seus filhos de tímidos, bagunceiros, etc? Esses pais podem depois não se lembrar, nem os filhos, mas o inconsciente da criança absorveu e escreveu o rótulo em sua identidade. Da mesma maneira, muitas vezes um casal rompe o relacionamento não por falta de amor, mas por falta de comunicação correta ou o mau uso da língua que instrumentaliza a desunião.

Receber palavras de contenda, intriga, inveja e de maldição dói, machuca, gera feridas profundas, mas mesmo com todo o estrago que elas façam, há chance de se quebrar os malefícios da língua. Para isso, algumas atitudes são muito importantes: reconhecimento, confissão, humildade, arrependimento, perdão e amor, muito amor. Um fato pode ficar na memória ou no inconsciente do ser humano por toda vida. Mas, ele pode ser lembrado de forma diferente, como um aprendizado, por exemplo.
Quem fez o mau uso da língua sempre sentirá alguma coisa: remorso, tristeza, ou algum outro tipo de sentimento. Mas não há apenas consequências físicas e psicológicas. A Bíblia é clara em dizer que cada um vai prestar contas a Deus pelos seus atos: "Mas tu, por que julgas teu irmão? Ou tu, também, por que desprezas teu irmão? Pois todos havemos de comparecer ante o tribunal de Deus. Cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus" (Romanos 14:10 e 11). Ou seja, para quem semeou a má semente, há consequências espirituais. Jesus disse que daremos conta a Deus de todas as nossas palavras. Os rastros das palavras ditas de forma errada podem marcar para sempre uma vida, uma família e uma igreja. Ainda que fiquem para sempre na memória de quem foi ferido, é preciso contar com a ação do Espírito Santo na cura das lembranças. Desta forma, mesmo que haja lembrança, não haverá dor e nem ressentimento.

Deus, ao inspirar o apóstolo Paulo a escrever para os cristãos de Gálatas, listou o fruto do espírito (amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio - Gálatas 5:22 e 23), que devem ser referência de vida para os cristãos. Através dessas virtudes, o mundo vai ver diferença nos que foram salvos por Jesus, seja no andar e, sobretudo, no falar. I Pedro 4:11 diz: "Se alguém falar, fale segundo as palavras de Deus; se alguém administrar, administre segundo o poder que Deus dá; para que em tudo Deus seja glorificado por Jesus Cristo, a quem pertence a glória e poder para todo o sempre". Jesus também declarou que “pelo fruto se conhece a árvore” (Mateus 12:33). Dessa forma, se a pessoa é um verdadeiro cristão, ela se vai se revelar notadamente pelo seu linguajar.

O Senhor enxerga a fofoca, a murmuração e o mau uso da língua de uma forma muito severa. Em Tito 3:10 e 11 está escrito: "Quanto àquele que provoca divisões, advirta-o uma e duas vezes. Depois disso, rejeite-o. Você sabe que tal pessoa se perverteu e está em pecado; por si mesma está condenada". Essas palavras proferidas por Deus são fortes. Ele não aceita esse tipo de atitude expressa através das nossas palavras e disse que a pessoa que age assim está pecando e será maldita. Precisamos entender definitivamente que palavras podem destruir quando usadas da forma errada. “O problema é que muitas pessoas se convertem, mas se esquecem de converter a língua junto com elas”, advertiu o escritor Gary Haynes no livro "O Poder da Língua".

A Bíblia está recheada de citações a respeito do bom e do mau uso da fala. Em Eclesiastes 3:7, por exemplo, está um dos textos mais lembrados quando se discute esse assunto: "Há tempo de estar calado e tempo de falar". Em Provérbios 15:4 está escrito: "A língua perversa esmaga o espírito".

Há uma história de que as palavras são levadas pelo vento e, se levadas ao alto de uma montanha para serem soltas, se espalham como penas pelo ar. Devemos ter cuidado com o que sai da nossa boca. Somos cristãos, devemos proclamar pelos quatro cantos do mundo a Palavra da salvação e não da contenda, da intriga, da fofoca.

Quantos relacionamentos na família e na igreja já foram quebrados pelo mau uso da língua? Palavras de ódio, de confusão, de intriga e de fofoca contra irmãos, pais, mães, pastores e líderes da igreja geram consequências tremendas. Da boca procede bênção e maldição, como afirma Tiago. A escolha sobre qual palavra usar vai ser determinada de acordo com o que está em seu coração, por isso Deus aconselha: "Enchei-vos do Espírito Santo" (Efésios 5:18). Amém!#

Um comentário:

  1. Amém...quero usar meus lábios só p profetizar bênçãos, e gerar vida ao invés de morte! Em nome de Jesus!!

    ResponderExcluir